fbpx
Escolha uma Página
Curiosidades do roubo da Taça Jules Rimet

O roubo da Taça Jules Rimet é um dos capítulos mais pitorescos da história do futebol brasileiro. O crime rende piadas e outras lendas até hoje.

O blog do Manto FC desvendou mais esse mistério do futebol parra você ter assunto na hora da resenha com os amigos.

A Taça

A Taça Jules Rimet foi criada em 1928 pela FIFA. A organização entendeu que o campeão da Copa do Mundo merecia ficar com o troféu até a próxima competição. Existia também uma regra inusitada. Se algum time ganhasse a competição por três vezes, ficaria com a peça de 1, 80 kg de ouro puro.

A FIFA achava pouco provável que isso acontecesse, mas demorou apenas 40 anos para o Brasil realizar o feito.

Primeiro Sumiço da Taça Jules Rimet

A Taça Jules Rimet já havia sido “sequestrada” na Inglaterra em 1966, quatro meses antes da Copa do Mundo. A taça desapareceu de uma exposição em Londres, e os policiais ingleses conseguiram solucionar o caso com a ajuda de um cachorro chamado Pickles, o peludo achou a taça largada em um jardim. O homem que efetuou o roubo acabou ficando dois anos preso, mas sempre afirmou que estava trabalhando a mando de uma terceira pessoa que nunca foi encontrada.

O Roubo na CBF

A Taça Jules Rimet já estava em posse do Brasil desde a conquista de 1970, e ficava exposta em uma vitrine à prova de balas na sede da entidade. Um fato curioso é que existia uma réplica da taça no cofre da sede, altamente protegida.

O ano era 1983, e Sérgio Pereira Ayres, na época o representante do clube Atlético Mineiro na CBF, viu a fragilidade de um objeto tão valioso.

O funcionário do galo era grande conhecedor do prédio, e passou alguns meses planejando o roubo.

Ele sabia que não poderia fazer o trabalho sozinho, e teve que chamar dois comparsas; Francisco José Rocha Rivera, o “Barbudo”, e José Luiz Vieira da Silva, o “Bigode”. O trio invadiu a sede, rendendo o vigia noturno. Rapidamente conseguiram arrombar o vidro e roubar a Julio Rimet, e mais três taças que estavam no local.

Solução do Crime

O crime gerou uma comoção nacional, todos os torcedores da seleção queriam ver uma solução rápida para o caso.

A pista principal veio de um bandido que sequer participou do crime. Antônio Setta, mais conhecido como “Broa”, era dos melhores arrombadores de cofres do Rio de Janeiro e acabou sendo peça chave para a solução do crime.

Em depoimento à polícia, Broa falou que tinha sido convidado por Sérgio Peralta para o crime, mas acabou não aceitando.

Tarde demais

Quando a polícia chegou aos culpados, a Taça já não existia mais. A peça tinha sido derretida pelo ouvires Juan Carlos Hernandez.

Outro fato inusitado foi que o ouro resultado da fundição foi aprendido, mas acabou sendo roubado da justiça durante o processo.

Julgamento

O julgamento do roubo da taça aconteceu em 1988. Sérgio Peralta, Barbudo e Bigode foram condenados a nove anos de prisão. Barbudo foi assassinado em 1989, enquanto esperava em liberdade condicional pela sua apelação à pena. Peralta foi preso apenas em 1994, deixando a cadeia três anos depois de sua entrada.

Bigode conseguiu fugir da justiça até 1995, depois de preso, ficou em regime fechado apenas três anos.

O ouvires Juan Carlos Hernandez nunca foi condenado por ter derretido a taça, mas acabou preso anos depois por tráfico de drogas.

Leia também

20 anos sem Didi

20 anos sem Didi

Dia 12 de Maio, há vinte anos, o futebol brasileiro perdia um de seus maiores nomes. Waldir Pereira, mais conhecido...

Quem foi Garrincha?

Quem foi Garrincha?

Pergunta difícil para responder em algumas palavras.  Manoel Francisco dos Santos, mais conhecido como Mané Garrinha,...