fbpx
Escolha uma Página
Holanda de 1974, glórias e tragédias da Laranja Mecânica
carrossel-holandes

A copa da Alemanha de 1974 teve um final atípico, não porque a dona da casa acabou saindo vencedora como zebra; mas porque foi a vice-campeã que ficou marcada na história.

A Holanda, antes de 1974, jamais teve algum protagonismo no futebol mundial. Jogou em 1934 e 1938, contabilizando duas derrotas e dois jogos.

Como uma seleção sem experiência encantou o mundo? A resposta não é única, tão pouco simples. Vamos contar um pouco a história desta saga, que não teve um final feliz.

Rinus Michel e o futebol total

O estilo de jogar da Holanda, extremamente dinâmico e envolvente, encheu os olhos de todos os fãs de futebol. Não apenas era bonito, como também muito eficiente.

Este estilo de jogar não foi inventado por Rinus Michel, o técnico do carrossel holandês, apelido que o time ganhou pelo jeito de atacar. Rinus, que foi jogador, aprendeu com seu antigo técnico, e conseguiu aplicar em uma geração holandesa cheia de talento.

Ajax e Feyenoord

O Ajax foi a base do time holandês, além do tri campeonato consecutivo da UEFA, o time foi campeão mundial interclubes em 1972.

O Feyenoord, campeão da UEFA em 1970 e maior rival do Ajax, também cedeu jogadores importantes para o maestro Rinus.

O destaque do carrossel foi Johan Cruyff, melhor jogador da história do futebol holandês, e cérebro da tática do time dentro de campo. Todas as principais jogadas passavam pelo craque.

Copa do Mundo

A Holanda já começou surpreendendo na Alemanha, ganhou em sua estreia do favoritíssimo Uruguai por 2×0. O volume de jogo absurdo estava claro, e o time sul-americano só não tomou uma goelada pela bela atuação de seu goleiro.

O time ainda empatou com a Suécia em um jogo sem gols, o que fez muitos acharem que a atuação da estreia foi um acaso. Mas na partida seguinte, o carrossel holandês aplicou uma goleada de 4×1 contra a Bulgária, se classificando para a segunda fase da competição.

Segunda Fase

O regulamento desta segunda fase não era nada fácil. As seleções eram divididas em dois grupos, jogando entre si, apenas os líderes de cada grupo iriam para final.

A Holanda estava no grupo com Brasil, Argentina e a antiga Alemanha Oriental.  Cruyff e seus companheiros massacraram a Argentina por 4×0, fizeram 2×0 na Alemanha Oriental, e foram para um jogo contra o já tri campeão Brasil precisando apenas de um empate.

Comandados por Zagallo, craques como o goleiro Leão, e as lendas Jairzinho e Rivelino não foram o bastante para parara o carrossel, que acabou vencendo a partida por dois a zero e carimbando seu passaporte para a final.

A grande Final

A Alemanha não tinha os holofotes de sua rival, mas contava com grandes craques, principalmente o líbero Franz Beckenbauer, e era a campeã europeia na época.

A Holanda saiu na frente no começo do jogo, com um gol de pênalti. Mas a frieza da seleção alemã não a deixou desistir de alegrar um estádio que se encontrava mudo naquele momento.

O empate veio também com um pênalti, e a virada com um gol aos 43 do primeiro tempo.

A marcação implacável alemã conseguiu neutralizar o jogo do carrossel holandês, que não conseguiu marcar até o final da partida.

 A Alemanha Ocidental era campeã mundial mais uma vez batendo um favorito, o mesmo fato acontece em 1954, contra a Hungria de Puskas.

O carrossel ficou na história como um dos times mais bem montados do futebol, e os Países Baixos ainda buscam sua primeira Copa do Mundo.

Leia também

20 anos sem Didi

20 anos sem Didi

Dia 12 de Maio, há vinte anos, o futebol brasileiro perdia um de seus maiores nomes. Waldir Pereira, mais conhecido...

Quem foi Garrincha?

Quem foi Garrincha?

Pergunta difícil para responder em algumas palavras.  Manoel Francisco dos Santos, mais conhecido como Mané Garrinha,...