fbpx
Escolha uma Página
20 anos sem Didi
didi-jogador

Dia 12 de Maio, há vinte anos, o futebol brasileiro perdia um de seus maiores nomes. Waldir Pereira, mais conhecido como Didi, foi um dos melhores meias da história de nossa seleção, defendendo o Brasil em três copas do mundo: 1954, 1958 e 1962.

O Príncipe Etíope

Nelson Rodrigues, grande jornalista e dramaturgo brasileiro, apelidou Didi de “O Príncipe Etíope” pela sua técnica e classe. Ver Didi jogar era um verdadeiro colírio para os olhos. Sempre de cabeça em pé, criava jogadas para ele e todos seus companheiros.

Didi também foi um dos primeiros especialistas brasileiros em bola parada. O craque carioca inventou a batida “folha seca”, na qual a bola faz uma curva no meio de sua trajetória, enganando o goleiro.

Didi eternizou essa técnica em um gol contra a Seleção do Peru, nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1958.

Clubes

Didi jogou em diversos times durante a carreira, mas foi no Fluminense e no Botafogo que deixou sua marca e foi reconhecido.

Fluminense

O Fluminense foi o time em que Didi jogou mais tempo sem interrupções de contrato. Entre 1949 e 1956, o craque participou de 298 partidas pelo tricolor carioca, fazendo no total 91 gols. Didi foi um dos nomes que levaram o Flu ao título do Campeonato Carioca de 1951 e da Copa Rio de 1952.

Didi também foi o primeiro jogador a marcar um gol pela seleção carioca no Maracanã.

Botafogo

Didi jogou no Botafogo ao lado de uma verdadeira seleção; Garrincha, Nílton Santos, Zagallo, Quarentinha, Gérson, Manga e Amarildo também faziam parte deste time de ouro do alvinegro.

Didi fez 313 jogos pelo time, marcando um total de 114 gols. O craque participou de diversos títulos pelo Botafogo. Foi campeão carioca pelo clube em 1957, 1961 e 1962. Venceu o Torneio Rio-São Paulo em 1962, e também no mesmo ano o Pentagonal do México. Em 1963, Didi levou o Fogão ao título do Torneio de Paris.

Didi na Seleção Brasileira

Didi jogou em três copas do mundo: 1954, 1958 e 1962. Trouxe os dois primeiros títulos da seleção em 58 e 62, sendo que na Copa da Suécia foi eleito o melhor jogador do torneio.

Didi fez um total de 68 jogos com a camisa do Brasil, anotando 20 gols.

Técnico

Didi também participou de uma Copa como técnico do Peru, em 1970, ano em que acabou vendo sua seleção perder para o Brasil por 4×2.

O atleta também foi técnico do seu ex clube Fluminense, em uma das fases mais vitoriosas do time, a equipe era conhecida como a “Máquina Tricolor”. Didi também foi técnico do seu querido Botafogo, mas acabou sendo substituído antes do término da temporada.

O atleta morreu em 2001, em decorrência de um câncer. Pela ironia do destino, no Hospital Universitário Pedro Ernesto, apenas algumas centenas de metros do seu querido Maracanã.

Leia também

Quem foi Garrincha?

Quem foi Garrincha?

Pergunta difícil para responder em algumas palavras.  Manoel Francisco dos Santos, mais conhecido como Mané Garrinha,...